Artistas


Alex Hamburger (RJ)

Desde o início de suas atividades nos anos 1980, teve seus interesses voltados para as possibilidades interativas, de fusão e entrecruzamento disciplinar, desenvolvendo trabalhos de poesia visual, sonora, instalações e performances, tendo contribuído de forma decisiva para uma melhor aceitação dessas técnicas no circuito artístico local.

Alexandre Sá (RJ)
É doutorando e mestre em Linguagens Visuais, professor, poeta e crítico. Atua como teórico, artista plástico e poeta. Lida com diversas linguagens (performances, instalações, textos críticos e vídeo) e sua particularidade é o diálogo entre teoria e prática artística. Tem textos publicados em revistas especializadas e atualmente vem desenvolvendo trabalhos como curador.

Ana Montenegro (SP)
Vive e trabalha em São Paulo, é artista visual e atua desde 2000 com enfoque na linguagem da performance. Atualmente toma como ponto de partida para a realização das ações o cruzamento entre a performance e o protocolo da imagem nos meios digitais, para questionar a fronteira entre realidade e ficção.

Armando Queiroz (PA)
Sua produção artística abrange desde objetos diminutos até obras em escala maior, intervenções urbanas, vídeos e performances. Detém-se conceitualmente às questões sociais, políticas, patrimoniais e relacionadas à arte e à vida.

Aslan Cabral (PE)
Nascido em 1980, realiza inúmeras performances diariamente, em que desempenha o seu lado artístico, político, religioso, entre outros. Estudou performance com Daniela Labra (BR), Valerie Vivancos (FR), Mariana Abramovich (SER), bem como com seus parentes, vizinhos e amigos.

Claudia Paim (RS)
Artista visual com produção em performance, vídeo, instalações sonoras e fotografia. Professora de poéticas visuais na Universidade Federal do Rio Grande. Tem textos publicados e exposições individuais e coletivas no Brasil e exterior. Áreas de pesquisa: coletivos, performance e corpo.

Coletivo Filé de Peixe (RJ)
Há cinco anos desenvolve projetos de intervenção urbana com base no audiovisual. Desde 2009, realiza o projeto PIRATÃO, prática artística que investiga e simula a economia informal e pirata para a difusão de videoartes.

Corpos Informáticos (DF)
Sediado em Brasília, atua em performance, videoarte, composição urbana e webarte desde 1992. Publicou os livros Corpos Informáticos. Arte, cidade composição (PPG-Arte/UnB, 2009) e Corpos Informáticos: arte, corpo, tecnologia (PPG-Arte/UnB, 2006).

Daniel Toledo (RJ)
Estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage e é formado pela Escola de Belas Artes da UFRJ, onde atualmente faz mestrado em Linguagens Visuais. Desenvolve seu trabalho desde 2000. Participou de exposições no Brasil e no exterior em instituições como Fondation Cartier pour l’Art Contemporain em Paris e Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

Davi Ribeiro (RJ)
Artista visual, performer e pesquisador, graduado em Artes Plásticas pela UERJ, é membro do corpo editorial da revista Gambiarra e mestrando em Ciência da Arte pela UFF. Por dois anos, foi artista visitante da mesma Universidade. Desde sua primeira individual em 2005 (Relicários Sociais), participou de diversos eventos e exposições no Brasil e no exterior.

Edson Barrus (PE/RJ)
Fundou e supervisionou de 2002 a 2006 o Espaço de Autonomia Experimental Rés do Chão no Rio de Janeiro, é propositor das Quarentenas Açúcar Invertido e do Projeto Cão Mulato e editor da revista Nós Contemporâneos (barrusMÀIPRESSÃOeditora). Tem textos publicados nas revistas Item, Lugar Comum, Arte & Ensaios e Global Brasil. Atua como art trainee dinamizando a circulação de ideias e fomentando a reflexão sobre processos de criação.

Fernanda Bec (RS)
Nasceu em Porto Alegre, RS, em 1984. Formada em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UFRGS, explora principalmente as linguagens da fotografia e da performance em seus trabalhos. Atualmente, o foco de suas pesquisas é a efemeridade do cotidiano, o banal, o tempo fugaz.

Fernanda Magalhães (PR)
Artista, fotógrafa e performer, é professora da UEL e doutora em Artes pela Unicamp. Recebeu o VIII Prêmio Marc Ferrez de Fotografia 1995 Minc/Funarte. Publicou os livros A estalagem das almas com a escritora Karen Debértolis (Travessa dos Editores, 2006) e Corpo re-construção ação ritual performance (Travessa dos Editores, 2010).

Flávia Vivacqua (SP)
Desde 1998 vem realizando exposições de suas performances, intervenções, instalações e fotografias em diversas cidades brasileiras e no exterior. Diretora fundadora da Nexo Cultural Agência de Designer Cultural e Sustentabilidade e idealizadora da rede COROColetivo de arte e ativismo, existente desde 2003, ganhou prêmios como o Conexões Artes Visuais 2007.

Franklin Cassaro (RJ)
O bioconcretismo nasceu quando Franklin Cassaro soprou o cubo, dando vida à mítica forma. Suas esculturas são órgãos em processo de formação, que dobram e redobram tecidos sintéticos-sociais-performáticos-midiáticos, tendo em seu centro a ação.

Gê Orthof e Cecília Aprigliano (DF)
Gê Orthof é artista plástico e professor do Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília. É pós-doutor pela School of the Museum of Fine Arts, Boston, doutor e mestre em Artes Visuais pela Columbia University, Nova Iorque, e fulbright scholar na School of Visual Arts, Nova Iorque. Coordena o grupo de pesquisa Moradas do Íntimo.

Cecília Aprigliano é gambista profissional desde 1985. Estudou Viola da Gamba por sete anos em Nova Iorque. Fez especialização em Lyon/França e Boston/EUA. Desde 1995, é professora de viola da gamba na Escola de Música de Brasília. Em 2004, iniciou a parceria com Gê Orthof. Atua como solista e camerista no Brasil e no exterior.

GIM (RJ)
Coletivo multidisciplinar que pesquisa a relação entre o artista e seu público apresentando performances multimídia com enfoque cooperativo. O GIM atua por meio do Núcleo de Performance do Laboratório de Engenharia do Entretenimento no Centro de Tecnologia da UFRJ e de parcerias público-privadas.

Grupo Empreza (GO)
Formado em 2001, tem trabalhado especialmente no campo da performance e, mais recentemente, com a criação de vídeo e animação. Já participou de encontros de coletivos, residências artísticas e mostras nacionais e internacionais. Seus integrantes vivem e trabalham nas cidades de Goiânia, Brasília e São Paulo.

Grupo SYA (CE)
Atua nos campos experimentais da arquitetura robótica, do cinema-cidade, do corpo e de suas relações com a tecnologia. O grupo é formado por Solon Ribeiro, Yuri Firmeza e Artur Cordeiro. Pensa o espaço poético dentro do contexto urbano sensível e gera reflexões sobre o habitat e as formas de manifestação da vida contemporânea.

Jéssica Becker (RS)
Doutoranda em “Arte: Producción e Investigación” na UPV, Espanha (2010/2014), possui o título de mestre pelo PPGAV-IA/UFRGS (2009/2011) e Especialização em Produção Artística (2009/2010) também pela UPV/Espanha. Interessa-se pela produção e pesquisa de arte de ação, desenvolvendo sua prática em ações públicas e de autoapresentação, intervenções urbanas e performances.

João Rosa (SC)
Bacharel em Artes Plásticas pela UESC.
O artista busca o pensamento altruísta, tocar e transformar a percepção humana, mesmo que isso não tenha qualquer resultado, por meio da performance fundamentada na escultura, no cinema e no movimento aleatório. Participou de projetos em instituições como no Museu Serralves, Portugal, Academy of Art University, EUA e Museu Victor Meirelles, Florianópolis.

Juliana Notari (PE)
Formada em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Com formação multidisciplinar, transita por diferentes linguagens e tem no seu trabalho uma acentuada influência da psicanálise e filosofia. Vem realizando exposições no Brasil e no exterior.

Lourival Cuquinha (PE)
Seus trabalhos refletem a respeito do indivíduo e do controle social e cultural sobre este. Atuando na cidade e na instituição, sua obra surge como local de provocação e nos leva a pensar sobre o lugar que a arte pode ocupar nas negociações pelo exercício da liberdade, experimentando seu alcance de intervenção no sistema da arte e na realidade que o circunda.

Luana Aguiar e Pedro Moreira Lima (RJ)
Luana Aguiar – Vive e trabalha no Rio de Janeiro. Estuda no Instituto de Artes da UERJ e teve passagem pela Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Participou de diversas exposições coletivas, como a Novíssimos 2010 na Galeria de Arte IBEU, e do evento Viradão Carioca 2010 na Praça Tiradentes. Em Belo Horizonte, participou da Bienal de Arte Universitária da UFMG.

Pedro Moreira Lima – Atua como artista plástico, literato e membro do grupo de estudos Juventude Líquida: Estética / Cotidiano / Acontecimentos.

Maicyra Leão (SE/DF)
Coordenadora do Núcleo de Teatro da Universidade Federal de Sergipe, doutoranda em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia e mestre em Arte Contemporânea pela Universidade de Brasília. Atualmente, desenvolve pesquisa sobre processos colaborativos de criação em performance.

Maíra Vaz Valente (SP)
Trabalha a partir de práticas performativas no campo da visualidade e seus desdobramentos. Convoca seu público a tomar parte de ações semelhantes a jogos. Graduada em Artes Plásticas na ECA/USP, é cocriadora do grupo de estudos Núcleo Aberto de Performance, um espaço colaborativo de pesquisa e imersão nas questões referentes à performance e sua história.

Marcela Levi (RJ)
Performer e coreógrafa. Seu mais recente trabalho, Em redor do buraco tudo é beira, foi contemplado pelo Programa de Bolsas Funarte 2008 e recebeu o Prêmio Reconhecimento ZKB/Zürcher Theater Spektakel, Zurique, em 2010. Paralelamente, colabora com as coreógrafas Vera Mantero, Dani Lima e Lia Rodrigues.

Marco Paulo Rolla (MG)
Artista multidisciplinar, é fundador e coordenador do CEIA e mestre em Artes pela UFMG. Foi residente na Rijksakademie van Beeldende Kunsten em Amsterdã e expõe suas obras desde 1986 no Brasil e no exterior. Sendo performance um meio especial em sua produção artística, ministra desde 2009, na escola Guignard, uma disciplina deste tema.

Marcus Vinícius (ES)
É artista, pesquisador e curador independente. Realiza projetos de intercâmbio e produção em performance e live art. Coordena o LAP! _Laboratório de Ação & Performance e o TRAMPOLIM _plataforma de encontro com a arte da performance, em Vitória, ES. Já se apresentou no Reino Unido, Argentina, México, Estados Unidos, Itália, entre outros.

Margit Leisner (PR)
Estudou Artes Visuais na F + F Schule für Kunst und Mediendesign Zürich. Integrou a iniciativa PerformancePoolZürich. Realizou o inventário do Arquivo de Performance Arte Schwarze Lade/Black Kit, Seedamm Kulturzentrum. É interessada em contextos relacionados à cultura da performance e as suas possibilidades como sistema aberto no âmbito da arte.

Michel Groisman (RJ)
Inventa equipamentos que servem para investigar diferentes modos de como se relacionar consigo mesmo e com o outro.

Micheline Torres (RJ)
Bailarina, coreógrafa e performer. Formada em balé clássico e dança contemporânea, estudou Artes Cênicas e Filosofia. Trabalhou por doze anos como bailarina e assistente da Lia Rodrigues Companhia de Danças. Desenvolve trabalhos próprios situados entre a dança contemporânea, a performance e as artes visuais. Integrante do coletivo internacional Sweet and Tender Collaborations.

Nadam Guerra (RJ)
Nasceu em 1977 no Rio de Janeiro. Artista visual e performer, coordena o programa de residências artísticas Terra UNA. Vive e trabalha em Liberdade, MG.

Opavivará (RJ)
Coletivo de artistas do Rio de Janeiro formado em 2005. Tem como proposta realizar experiências poéticas coletivas/interativas, buscando deslocar todos os participantes de suas funções institucionais. Atuando no panorama das artes em todo Brasil, já participaram da VERBO, mostra anual de performance da Galeria Vermelho, em São Paulo, e do SPA em Recife.

Orlando Maneschy (SP)
Artista, curador independente e crítico. Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Vem participando de projetos no país e no exterior, como Projeto Arte Pará 2008-2010; Wild Nature, Alemanha, 2009; e Equatorial, Cidade do México, 2009. É editor e autor de livros, como Já! Emergências Contemporâneas.

Otávio Donasci (SP)
Mestre em Artes pela USP, atualmente é professor de Artes do Corpo da PUC-SP. Atua principalmente nos seguintes temas: videoperformance, educação superior, teatro contemporâneo, instalação multimídia e videocriaturas.

Pontogor (RJ)
Sua pesquisa tem foco em meios como vídeo, fotografia, instalação, performance e som. Em processos peculiares, seus trabalhos são desenvolvidos com equipamentos como TVs, vitrolas, mesas de som, equipamentos encontrados e eletrônicos modificados, sempre usando o erro e o acaso como ferramentas.

Ronald Duarte (RJ)
Nascido em Barra Mansa, em 1962, é mestre em Linguagens Visuais pela EBA/UFRJ. Artista de ações visuais, vem nos últimos anos realizando ações e acontecimentos em arte contemporânea. Trabalha especificamente com a urgência urbana, aquilo que precisa ser feito, dito, exposto, visualizado; “aqui e agora”.

Shima (SP)
Nasceu em São Paulo, SP. Formado em Desenho Industrial, realizou residências artísticas na Holanda (2007), Japão (2008), Goiânia (2009) e Bélgica (2010). Foi selecionado pelo Programa Rumos Artes Visuais 2008-2009 e é artista residente do Programa Bolsa Pampulha 2010-2011. Vive e trabalha em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro.

Victor de La Rocque (PA)
Graduando em Artes Visuais e Tecnologia da Imagem pela Universidade da Amazônia, possui uma produção artística em performance que se expande em um rastro por meio de objetos, instalações, vídeos e fotografias. Participa de exposições coletivas e festivais desde 2007, e ganhou prêmios em salões como o 1° Grande Prêmio Arte Pará 2008.

Yftah Peled (SC)
Radicado no Brasil desde 1991, é formado em Escultura pela Emerson College, Inglaterra, com equivalência em Escultura pela UDESC/SC, mestre em Teatro (UDESC/SC) e doutorando em Poéticas Visuais pela ECA/USP. Seus projetos recentes focam em performance, participação e performatividade. Participou de exposições como o Projeto Parede MAM São Paulo.

Zmário (BA)
Vive e trabalha em Salvador, Bahia. Sua produção gira em torno da performance, da body art e dos processos de impressão. É mestre em Artes Visuais pela Escola de Belas Artes da UFBA. Já participou de festivais como Zonadeartenacción em Buenos Aires, Argentina, e foi mapeado pelo Programa Rumos Visuais 2001-2003 do Itaú Cultural.

 

 

 

State Accident Insurance Fund | essaythinker.net